Empreendedores iniciantes: 10 dicas de gestão essenciais

Pessoas que têm espírito empreendedor compartilham algumas características básicas, como uma mente aberta a novidades e forte vontade de aprender. Essas características são extremamente importantes, pois os empreendedores iniciantes realmente precisam absorver muita informação para começar a desenvolver um negócio.

Esse artigo é um bom exemplo: nele, você encontrará 10 dicas sobre gestão de negócios. Então, bons estudos!

1. Conheça seu cliente para uma gestão de negócios eficaz

Esse é o primeiro item da lista porque, certamente, também é o mais importante. Quem conhece e entende bem o cliente consegue executar uma gestão de negócios muito mais eficaz, pois ele deve ser o foco de todo o seu empreendimento.

Entre as informações que você precisa coletar estão:

  • O tamanho do público-alvo;

  • Sua faixa etária e gênero;

  • Seu poder de compra;

  • O padrão de consumo;

  • Suas preferências e hábitos;

  • As rotinas e comportamentos que apresentam.

Quanto mais detalhes você tiver, melhor. A partir dessas informações você poderá traçar estratégias mais direcionadas e personalizar seu produto ou serviço. Para coletar esses dados você deve ouvir o cliente, através de pesquisas, entrevistas e indo a campo.

2. Valide sua ideia e seu modelo de negócios

Essa dica permite economizar muito dinheiro, além de meses ou anos do seu tempo, que seriam desperdiçados em um negócio não monetizável ou sustentável. Faça isso sempre antes de começar a investir em um negócio.

Validar a sua ideia consiste em responder basicamente a duas perguntas:

  1. Tem alguém interessado neste produto ou serviço?

  2. Esta pessoa tem condição e intenção de pagar por esta solução?

Se a resposta a uma dessas perguntas for não, você já sabe que será difícil monetizar sua ideia de negócios.

Já a validação do modelo é feita através planejamento das operações da empresa. A melhor maneira de identificar possíveis erros é fazendo a descrição detalhada das operações no papel, através de uma ferramenta simples como o Canvas.

3. Mapeie a concorrência

Além de conhecer o cliente, também é essencial fazer um mapeamento da concorrência. Eles são a melhor fonte de benchmarking, ou seja, dados de comparação. A partir deles você poderá compreender melhor se os resultados da sua empresa estão de acordo com o mercado ou fora da curva.

Concorrentes também fornecem benchmarking para ações: Se você precisa desenvolver algum processo e não tem certeza do melhor caminho, olhe para os concorrentes e veja como eles estão fazendo.

4. Formalize sua empresa desde o começo

Alguns empreendedores iniciantes preferem manter a empresa na informalidade para fugir de impostos, taxas e tributos. A empresa tem um nome, uma fachada, mas não possui um CNPJ.

Apesar de parecer uma boa ideia, isso atrapalha o crescimento da sua empresa. Sem seu registro formal, você não pode abrir uma conta bancária de pessoa jurídica, solicitar uma máquina de cartão de crédito, tampouco emitir notas fiscais. Com tantas restrições, seu negócio certamente vai perder alguns bons clientes e oportunidades de venda.

5. Crie uma equipe vencedora

Desde o começo, você deve desenvolver, na sua empresa, uma cultura que valorize bons colaboradores. Estes serão profissionais de talento que vão ajudá-lo a concretizar a visão e a missão do seu negócio, atuando de acordo com seus valores.

Para criar uma equipe vencedora, é essencial investir no tripé:

Recrutamento – Desenvolvimento – Retenção

Neste processo, também é importante que você defina bem o seu próprio papel. Reflita sobre qual será a sua contribuição ao negócio, da mesma forma que o restante dos colaboradores, afinal você também é parte da equipe.

Entenda o Mercado de Decoração de Ambientes

6. Faça um trabalho consistente de precificação

Um erro comum entre empreendedores iniciantes é não saber como definir o valor do seu produto. Quanto realmente vale o que você está oferecendo?

Como “valor” tende a ser uma noção um tanto abstrata, existem técnicas mais objetivas que você pode usar para definir os preços do seu produto. As duas principais técnicas são Cost-up (na qual entra o conhecido markup) e Value-Based:

  1. Cost-Up consiste em adicionar uma margem de lucro ao custo de produção do produto;

  2. Value-Based consiste em identificar, através de pesquisas, o valor percebido que o produto apresenta aos olhos do cliente.

A primeira é muito usada para produtos comuns, como pasta de dentes ou pilhas. Porém, quanto mais diferenciado o seu produto for, mais vantajosa é segunda, que traz maior lucratividade.

7. Não se esqueça de controlar o estoque

O estoque precisa ser controlado desde o início das operações da empresa, mesmo que haja pouca entrada e saída de materiais.

Se houver falta de itens, você pode perder um cliente para a concorrência; por outro lado, se houver excesso, você corre o risco de perder dinheiro através da desvalorização dos itens encalhados.

A melhor forma de controlar o estoque é fazendo um planejamento de compras conforme a análise do giro de estoque ou seja, comprando nas quantidades mais próximas ao consumo de cada item em determinado período. Então, a partir desse planejamento, é preciso fazer registros sistemáticos da entrada e saída de itens.

8. Desenvolva uma estratégia de marketing

O marketing está por trás do sucesso de vendas. Muitos pensam em marketing como um sinônimo de “publicidade e propaganda” porém, na realidade, é algo muito mais abrangente. Por exemplo, as primeiras dicas desse artigo – conhecer o cliente e o concorrente – são, na verdade, atividades que pertencem ao marketing.

Uma estratégia de marketing bem completa irá permitir que você conheça melhor seu mercado e que apresente sua marca a ele de maneira eficaz. Atualmente, existem algumas subáreas do marketing que estão ganhando força e que também merecem entrar na sua estratégia, como o marketing digital e o marketing de conteúdo.

9. Organize as finanças da empresa

Não vamos estender muito essa dica, pois finanças são um tema complexo. Porém, há algo que o empreendedor iniciante precisa fazer na gestão de um negócio novo: separar as finanças da empresa e suas finanças pessoais.

Também é importante que o empreendedor tenha em mente que seu dinheiro e o lucro da empresa não são a mesma coisa; não é viável chegar no final do mês e sacar esse lucro indiscriminadamente para uso pessoal.

O empreendedor deve ter uma remuneração fixa dentro de sua empresa. Da mesma forma, qualquer valor das suas finanças pessoais que seja investido para manter as operações da empresa deve ser registrado e monitorado, como capital de sócio.

10. Informatize e automatize, quando possível

Existe uma grande variedade de softwares que facilitam as atividades específicas de gestão, como os CRMs, ERPs, Workflow, sistemas de gestão de notas fiscais e documentos. Além disso, também há aplicativos simples que colaboram com o dia a dia de um escritório: controle de agenda, realização de reuniões online, compartilhamento de arquivos. Muitos destes recursos são gratuitos.

Considerando a destreza que os profissionais, especialmente das gerações Y e Z, apresentam para lidar com tais ferramentas, você pode implementá-las facilmente em sua empresa, proporcionando aumento na produtividade da equipe.

Quer ter acesso a mais dicas para a gestão de negócios? Então, assine a nossa newsletter e receba nossos conteúdos diretamente em seu e-mail!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"